Enfraquecer o instrumento de luta dos trabalhadores é fortalecer a classe patronal

Enfraquecer o instrumento de luta dos trabalhadores é fortalecer a classe patronal

Sindicatos

A FESSPMESP compartilha esta importante reflexão para todos os seus dirigentes filiados e suas bases, conforme matéria publicada no site https://gritasaopaulo.com.br/.

As instituições sindicais são fundamentais para preservar os direitos dos trabalhadores e frear os constantes ataques da classe patronal. Os Sindicatos, em especial, surgiram com a missão de combater precariedades, lutar por melhores salários e boas condições de trabalho. Enfraquecer o movimento sindical em seu coletivo, como ocorreu no fim da contribuição obrigatória sindical, é colocar milhares de trabalhadores em situações vulneráveis e contribuir para práticas antidemocráticas e análogas ao trabalho escravo.

Infelizmente, falta consciência política e um entendimento maduro sobre a importância das entidades sindicais que são de fato o instrumento de luta de determinada classe. Se unir a um Sindicato é cultivar diariamente seu elevado entendimento sobre os seus direitos trabalhistas, manutenção de benefícios e ampliação das conquistas. Veja um bom exemplo do Sindicato dos Bancários de São Paulo: conseguiu mais de 10% de reajuste salarial porque houve uma negociação. Ou seja, a atuação sindical fez a diferença na vida de milhares de famílias.

 

Vamos entender o que é um Sindicato

A palavra Sindicato tem origem na expressão francesa syndic e significa “representante de uma determinada comunidade”. A melhor definição de Sindicato, entretanto, é de autoria dos sociólogos e ativistas sociais ingleses Beatrice e Sidney Webb: “União estável de trabalhadores e trabalhadoras para a defesa de seus interesses e implementação da melhoria de condições de vida”.

 

Trata-se de um conceito preciso, que expressa as principais dimensões do Sindicato, porque:

a) põe em relevo o caráter de permanência, ao mencionar a “união estável”;

b) destaca o sentido de classe, quando se refere a “trabalhadores e trabalhadoras”;

c) enfatiza a ideia de resistência, ao falar da “defesa de seus interesses”;

d) expressa ação, traduzida pela palavra “implementação” e, finalmente;

e) aborda o aspecto social, ao tratar da “melhoria das condições de vida”.

Essa forma de organização dos trabalhadores, que pressupõe união, solidariedade e consciência de classe, faz parte das conquistas do processo civilizatório. O trabalhador adere ou se filia a ela de modo individual e voluntário, portanto, consciente, com o objetivo de somar esforços na defesa e promoção de seus interesses sociais, econômicos, políticos, culturais e profissionais. O Sindicato é a instituição que legitimamente faz a articulação e os enfrentamentos na defesa e proteção dos direitos e interesses da classe trabalhadora.

 

ORGANIZAÇÃO

Organizado através de sua entidade sindical, o trabalhador será representado e não terá que se expor isolada ou individualmente no enfrentamento ao patrão e ao governo. A luta passa a ser coletiva, protegendo o trabalhador de eventual perseguição, garantindo força para a conquista, vocalizando desejos, ampliando a voz de cada um, criando respeito, valores e direitos.

 

O que faz um Sindicato?

As organizações sindicais exercem quatro funções:

a) organizam, representam e defendem os direitos e interesses dos trabalhadores da categoria profissional, inclusive como substituto processual;

b) negociam ou promovem a contratação coletiva, podendo, para tanto, realizar movimentos paredistas (greve) na hipótese de recusa patronal;

c) formam para a cidadania, o que consiste em promover cursos, seminários, simpósios, congressos e mobilizações para desenvolver o senso crítico dos trabalhadores; e

d) lutam por justiça social, o que pressupõe participar e influenciar as decisões e processos políticos para que haja equidade na distribuição da riqueza, com garantia de dignidade ao trabalhador durante sua vida laboral e na aposentadoria.

Deixe um comentário